segunda-feira, 22 de setembro de 2008

RESPOSTA À REVISTA VEJA

Na edição de 20 de agosto a revista Veja publicou a reportagem O que estão ensinando a ele? De autoria de Monica Weinberg e Camila Pereira, ela foi baseada em pesquisa sobre qualidade do ensino no Brasil.

Leia a carta de repúdio escrita pela viúva de Paulo Freire, Nita:

"Como educadora, historiadora, ex-professora da PUC e da Cátedra Paulo Freire e viúva do maior educador brasileiro PAULO FREIRE -- e um dos maiores de toda a história da humanidade --, quero registrar minha mais profunda indignação e repúdio ao tipo de jornalismo, que, a cada semana a revista VEJA oferece às pessoas ingênuas ou mal intencionadas de nosso país. Não a leio por princípio, mas ouço comentários sobre sua postura danosa através do jornalismo crítico. Não proclama sua opção em favor dos poderosos e endinheirados da direita, mas , camufladamente, age em nome do reacionarismo desta.

Esta vem sendo a constante desta revista desde longa data: enodoar pessoas as quais todos nós brasileiros deveríamos nos orgulhar. Paulo, que dedicou seus 75 anos de vida lutando por um Brasil melhor, mais bonito e mais justo, não é o único alvo deles. Nem esta é a primeira vez que o atacam. Quando da morte de meu marido, em 1997, o obituário da revista em questão não lamentou a sua morte, como fizeram todos os outros órgãos da imprensa escrita, falada e televisiva do mundo, apenas reproduziu parte de críticas anteriores a ele feitas.

A matéria publicada no n. 2074, de 20/08/08, conta, lamentavelmente com o apoio do filósofo Roberto Romano que escreve sobre ética, certamente em favor da ética do mercado, contra a ética da vida criada por Paulo. Esta não é, aliás, sua primeira investida sobre alguém que é conhecido no mundo por sua conduta ética verdadeiramente humanista.

Inadmissivelmente, a matéria é elaborada por duas mulheres, que, certamente para se sentirem e serem parceiras do “filósofo” e aceitas pelos neoliberais desvirtuam o papel do feminino na sociedade brasileira atual. Com linguagem grosseira, rasteira e irresponsável, elas se filiam à mesma linha de opção política do primeiro, falam em favor da ética do mercado, que tem como premissa miserabilizar os mais pobres e os mais fracos do mundo, embora para desgosto deles, estamos conseguindo, no Brasil, superar esse sonho macabro reacionário.

Superação realizada não só pela política federal de extinção da pobreza, mas , sobretudo pelo trabalho de meu marido – na qual esta política de distribuição da renda se baseou - que demonstrou ao mundo que todos e todas somos sujeitos da história e não apenas objeto dela. Nas 12 páginas, nas quais proliferam um civismo às avessas e a má apreensão da realidade, os participantes e as autoras da matéria dão continuidade às práticas autoritárias, fascistas, retrógradas da cata às bruxas dos anos 50 e da ótica de subversão encontrada em todo ato humanista no nefasto período da Ditadura Militar.

Para satisfazer parte da elite inescrupulosa e de uma classe média brasileira medíocre que tem a Veja como seu “Norte” e “Bíblia”, esta matéria revela quase tão somente temerem as idéias de um homem humilde, que conheceu a fome dos nordestinos, e que na sua altivez e dignidade restaurou a esperança no Brasil. Apavorada com o que Paulo plantou, com sacrifício e inteligência, a Veja quer torná-lo insignificante e os e as que a fazem vendendo a sua força de trabalho, pensam que podem a qualquer custo, eliminar do espaço escolar o que há de mais importante na educação das crianças, jovens e adultos: o pensar e a formação da cidadania de todas as pessoas de nosso país, independentemente de sua classe social, etnia, gênero, idade ou religião.

Querendo diminuí-lo e ofendê-lo, contraditoriamente a revista Veja nos dá o direito de concluir que os pais, alunos e educadores escutaram a voz de Paulo, a validando e praticando. Portanto, a sociedade brasileira está no caminho certo para a construção da autêntica democracia. Querendo diminuí-lo e ofendê-lo, contraditoriamente a revista Veja nos dá o direito de proclamar que Paulo Freire Vive!

São Paulo, 11 de setembro de 2008

Ana Maria Araújo Freire".

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

VAMOS DEFENDER A NOSSA PROFISSÃO!



CAMPANHA PELA REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL DO JORNALISTA


SJPMG realiza dia 17, às 13 horas, Ato Público, em frente a Justiça Federal de Minas Gerais.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais realizará no dia 17, às 13 horas, Ato Público em defesa da regulamentação profissional do jornalista em frente a Justiça Federal - Seção Judiciária do Estado de Minas Gerais, Av. Àlvares Cabral, nº 1805, Santo Agostinho. O ato acontecerá no mesmo dia e horário do ato público organizado pela FENAJ em Brasília. Neste dia os abaixo-assinados coletados em todo o Brasil serão entregues aos Ministros do Supremo para sensibilizá-los e para mostrar que a sociedade deseja e reinvindica uma informação de qualidade e credibilidade feita por profissionais devidamente formados.

Sindicatos de Jornalistas e entidades da sociedade apoiadoras da campanha em defesa do diploma se concentram na preparação desse Ato Público no dia 17 de setembro, às 13h, na Praça dos Três Poderes, em frente ao Supremo Tribunal Federal, em Brasília. A coordenação da campanha destaca que a movimentação nos estados e a busca de mais apoios devem ser intensificadas no período que antecede à votação do Recurso Extraordinário RE/511961 no STF.

A ajuda de todos é essencial para sensibilizar os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que votarão, brevemente, a ação que questiona a exigência de formação para o exercício da profissão. O Sindicato dos Jornalistas sugere que, quem puder, compareça vestido com a camisa do diploma, que também está à venda no SJPMG.

Mais informações
Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais
Av. Àlvares Cabral, 400, Centro
(31) 3224-5011 - http://br.mc508.mail.yahoo.com/mc/compose?to=eventos@sjpmg.org.br
http://www.jornalistasdeminas.org.br/

Quarta-feira (17) é dia de vestir a camisa do diploma


Quarta é dia de vestir a camisa

Na semana em que a FENAJ completa 62 anos de história, jornalistas brasileiros se reúnem em frente ao STF num Ato público em defesa do diploma para o exercício da profissão. O Ato está previsto para 13 horas desta quarta-feira, dia 17 de setembro, na Praça dos Três Poderes, em frente ao Supremo Tribunal Federal, em Brasília.

A FENAJ e os 31 Sindicatos de Jornalistas do país convidam todos os profissionais, estudantes e professores de Jornalismo que não puderem se deslocar até Brasília a vestir, no dia do Ato, a camisa da campanha "Jornalistas por formação" para marcar o protesto nas redações, assessorias e faculdades de todos os estados.

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) completa 62 anos de luta em defesa dos jornalistas, do Jornalismo e da democracia no próximo dia 20, sábado. Para marcar a data é que os jornalistas de todo o Brasil marcaram para esta semana o protesto contra mais esta tentativa de desregulamentar a profissão no país e derrubar uma conquista histórica da categoria e da sociedade, no seu direito de ser bem informada. A ação que está prestes a ser julgada pelo STF teve origem em questionamento da Associação das Emissoras de Rádio e TV de São Paulo.

A tese dos patrões

Alegando que a Constituição de 1988 não acolheu o decreto lei 972/69, que regulamenta a profissão de jornalista, os patrões querem acabar com a obrigatoriedade do diploma como critério de acesso a profissão.

Para reagir ao ataque à organização dos trabalhadores, caravanas de jornalistas de redação e assessoria de imprensa, estudantes e professores de Jornalismo, organizadas pelos 31 Sindicatos de Jornalistas, já estão se deslocando para Brasília. Também confirmaram presença representantes do FNPJ (Fórum Nacional de Professores de Jornalismo), SBPJor (Sociedade Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo), Intercom, ABI (Associação Brasileira de Imprensa).

E entidades de jornalismo de todo mundo estão enviando notas de apoio à campanha para a FENAJ e ao STF. Já chegaram à FENAJ manifestações dos jornalistas da Finlândia, da National Union of Somali Journalists - NUSOJ (Somália), Icelandic Union of Journalists (Islândia), jornalistas da Tunísia, Federação de Jornalistas Africanos, National Union of Journalists - NUJ (Grã-Bretanha), Union of Cyprus Journalists (cipriotas), Associacion Nacional de Periodistas del Peru (peruanos). A FIJ (Federação Internacional dos Jornalistas) divulga a campanha e declara apoio em destaque no seu site. Para conferir: www.ifj.org/es

Mobilização

Diretores da FENAJ e do Sindicato dos Jornalistas do DF intensificaram, nesta segunda-feira (15),a agenda de mobilização nas redações, universidades e assessorias. As principais empresas de comunicação da capital federal e a escolas de Jornalismo estão sendo visitadas. A intenção do protesto do dia 17 é sensibilizar os 11 ministros do STF a votarem a favor da manutenção do diploma como garantia mínima de qualificação teórica, ética e técnica profissional e de um Jornalismo voltado para o interesse público.





FONTE: BOLETIM FENAJ

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

CINEMA NO MUSEU NACIONAL DO RIO DE JANEIRO

No próximo dia 15 deste mês, o Museu Nacional da UFRJ inaugura a sala de vídeo Major Luiz Thomas Reis, apresentando a mostra de documentários científicos UFRJ VIDEO 2008. Estendendo-se até 21 de setembro, o evento é, segundo Eliane Frankel, uma das organizadoras, oportunidade excelente para despertar a curiosidade do público em geral pelo universo da ciência.

Dividida em eixos temáticos de Antropologia, Arqueologia, Paleontologia, Biologia Marinha, Dança e Comunicação Social, a programação abrange vídeos que em sua maioria registram trabalhos de campo de pesquisadores do Museu Nacional e da UFRJ, além de debates com os pesquisadores e produtores após as exibições. A entrada é franca.

No final de semana, a programação também é gratuita, com distribuição de senhas meia hora antes das sessões, que ocorrem entre 10h e 16h. Os debates, por sua vez, acontecem apenas de terça à sexta.

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Regulamentação profissional: entrevista com o diretor da FENAJ Aloísio Lopes

Confira a entrevista com o ex- presidente do Sindicato de Jornalistas Profissionais de Minas Gerais e atual Diretor de Relações Institucionais da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) Aloisio Lopes sobre a regulamentação profissional do jornalista.

A entrevista foi realizada no estúdio da PUC TV no dia 28 de agosto e faz parte da divulgação de uma série de atividades da FENAJ, dos Sindicatos de todo o país e entidades da sociedade que apoiam a campanha em defesa do diploma.

Durante o último congresso da categoria, realizado em São Paulo de 20 a 24 de agosto, foi deliberada a realização de um Ato Público no dia 17 de setembro, às 13h, na Praça dos Três Poderes, em frente ao Supremo Tribunal Federal, em Brasília. A organização da estrutura para receber as caravanas dos estados já está sendo feita pela FENAJ e Sindicato do Distrito Federal. A agenda de atividades do dia 17 terá, além do ato público na Praça dos Três Poderes, visitas às redações de Brasília no período da manhã, uma coletiva à imprensa e contato com parlamentares e autoridades.

video

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Mensalão:Márcio Lacerda em Relatório CPMI


Márcio Lacerda está, de fato, na lista do Valerioduto
03/09/2008 16:00:00 Relatório CPMI



A equipe de Comunicação do SINJUS-MG decidiu apurar mais profundamente a denúncia do Portal Vermelho - de que o candidato à prefeitura de BH (PBH), Márcio Lacerda (PSB), estava na listagem que Marcos Valério leu em seu depoimento sobre o esquema conhecido como “Mensalão”, durante a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que apurou o caso, e confirmamos; é verdade mesmo! E há mais: segundo um dos trechos do relatório da CPMI, transcrito logo abaixo da malfadada lista de sacadores das contas do Valerioduto (na qual consta que Lacerda sacou R$ 300 mil), há a afirmação de que Marcos Valério tinha “relações” com Lacerda. Por que será que isso não sai em nenhum jornal?

O trecho é este: “Dos nomes transcritos na lista acima, o Sr. Marcos Valério alegou desconhecer, em seu depoimento perante esta CPMI, o Sr. Alexandre Vasconcelos Castro. Outrossim, reconhece possuir relações apenas com o Sr. Cristiano de Mello Paz, diretor da SMP&B; Sra. Eliane Alves Lopes (ou Cedrolla), diretora da SMP&B em Brasília; Sr. Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do PL; Sr. João Cláudio de Carvalho Genu, do gabinete do Deputado José Janene; Sr. Márcio Lacerda, empresário de Minas Gerais e membro do Gabinete do Ministro Ciro Gomes; Sr. Ramón Cardoso, sócio e diretor da SMP&B; Sra. Renilda Souza, sua esposa; Sr. Rogério Lanza Tolentino, advogado que o representa e seu sócio na empresa Tolentino & Melo; Sra. Simone Vasconcelos, diretora da SMP&B; Waldemar Costa Neto, ex-Deputado”. Confira a lista e o relatório parcial da CPMI em http://www.cpmidoscorreios.org.br/relatorios/relatorio_parcial_movfin.htm,